Quando a Fibromialgia magoa

Decidi escrever isto por 2 motivos: primeiro como meio de desabafo e segundo como forma de vos mostrar que nada é perfeito, nada é constante. Digam-me o que fariam nos comentários, estou sempre pronta a aprender coisas novas, especialmente sobre a fibromialgia 🙂 

Tenho tido uma semana má (obrigada fibromialgia). Muito cansaço, muita dor de cabeça, sem motivos aparentes. Houve um dia que tive de estar sempre deitada pois não aguentava com a dor de cabeça, mas fora isso fiz a minha vida, mais devagar, mas fiz. 

Para quem não me conhece, sou uma pessoa que precisa de novidades constantes, de desafios e que não aguenta a monotonia. Uma coisa que me ajuda bastante é ir ao ginásio e hoje fui fazer Jump, uma coisa que adoro. Para quem não sabe, o Jump faz-se num pequeno trampolim e requer resistência muscular e cardio-respiratória. Obviamente que não consigo fazer com a mesma intensidade que é desejada ou suposta, mas, orgulhosamente, faço! Para alguns não significa nada, mas para quem tem uma “amiga” que impede muita coisa, isto é uma grande conquista. 

Fui ao ginásio, mesmo com dores de cabeça e falta de energia, na esperança de melhorar, pois energia gera energia, não é verdade? Posso-vos dizer que não aconteceu. A aula é de 30 minutos, é intensa, é super divertida e motivante e eu aguentei 10 minutos até parar. Por muito motivada que estivesse, o que o cérebro pedia, o corpo rejeitava. Comecei com dificuldade em controlar a respiração, o meu corpo estava super quente e os músculos não respondiam. Foi aí que percebi que a fibromialgia estava a dominar, há que saber respeitá-la. 

Vocês agora pensam: E então? Acontece, nem todos temos bons dias! Verdade. Mas também é verdade que para uma pessoa com um historial de falhanços físicos, estas pequenas coisas abrem a ferida (que tanto demorou a fechar), lembram-nos dos tempos em que não éramos capazes de fazer nada. Magoam, muito. Não é preciso dizer o estado em que saí de lá. Saí mal, psicologicamente. Ponto. 

Ao contrário do que pensam, não sou sempre forte, não sou sempre iluminada e cheia de força. Também tenho destes dias, escuros, que baixam a auto-estima e que tentam roubar a luzinha de força que existe dentro de nós. E é muito difícil lutar contra eles. Agora vem a pergunta: o que fazem nestes dias? Como mostram a vocês próprios que está tudo bem, que não são uns falhados, que são apenas humanos? Que está tudo bem em não serem capazes de fazer o que os outros conseguem?

Amanhã estarei melhor, com mais força, com mais luz, já a energia não prometo (risos). Mas hoje foi difícil. Demasiado e já não era suposto custar tanto. 

Um beijinho, de força, para aqueles que às vezes querem desistir. Não o façam, nunca. 

 

30 Replies to “Quando a Fibromialgia magoa”

  1. Uma doença crónica é dificil de aguentar, de gerir e às vezes deita-nos abaixo de uma forma que só quem tem é que compreende.

    Eu sofro de enxaqueca há 20 e tal anos e tenho crises tão graves que não desejo ao meu pior inimigo. Conheço tudo sobre a doença e isso tem-me ajudado e até já sugeri alternativas ao meu neurologista que me ajudaram. Acho que a informação é uma das nossa melhores aliadas, embora quando a crise vem, não há muito a fazer.

    Compreendo perfeitamente o que acontece durante as crises e às vezes é mesmo necessário ceder, porque o organismo não consegue mais, nós não aguentamos mais…..temos de parar e esperar que passe, é mesmo assim. Não é por isso que não somos melhores, pelo contrário, aguentar o que aguentamos, torna-nos muito mais fortes!

    Beijinho grande e bom fim de semana <3
    https://demantanosofa.blogspot.pt/

    1. Muito obrigada pelo comentário! Significa imenso ❤ Um grande beijinho*

  2. Querida Sara,
    Fiquei de coração apertado ao ler as tuas palavras. Percebo-te. Compreendo que por vezes devas sentir necessidade de fazer as mesmas coisas, com a mesma energia, força, ritmo e vontade com que as outras pessoas as fazem e acabes por perceber que o teu corpo não corresponde. Que te lembres que há algo que te condiciona. Sei que deve ser difícil pensar positivo; deixo-te uma dica: tenta encontrar actividades mais relaxantes que possas fazer nessas alturas em que a Fibro se activa.

    Actividades mais calmas, com recurso a música, por exemplo. Uma massagem corporal, talvez ajude. Yoga. E deixas o Jump para as alturas em que a Fibro está mais atenuada. Força e ânimo!

    Um beijinho e as melhoras! :*

    1. Muito obrigada por este comentário 💖Infelizmente não sabia que estava tão mal habituado quando fui, agora já aprendi a lição 😊 um grande beijinho

  3. É verdade que nunca estamos numa contínua boa disposição. Pode ser por motivos físicos, psicológicos ou ambos. Nada como cuidar da nossa saúde, consultar o médico e eventualmente procurar outras alternativas complementares no caso de doenças crónicas, como acupuntura. Mas a questão psicológica já é mais complexa, nesses dias pode ser bom simplesmente observar essa nuvem negra em nós, essa tempestade, que também vai passar, é bom tentarmos compreender o que esse sentimento significa, refletir sobre ele, sobre a nossa vida. Por vezes um sentimento pior alerta-nos para algo importante, como para a necessidade de fazer uma mudança que se revelará benéfica. É importante também não nos identificarmos demasiado com esse sentimento, ele faz parte de nós, somos nós, mas nunca nos devemos focar demasiado nele, reduzir-nos a ele, percebendo que estamos além disso, tal como a vida, a natureza, ainda que naquele momento possamos parecer “pequenos”. Beijinhos 🙂

    1. Obrigada pela mensagem 💖 é tão verdade o que dizes! Hoje já aceitei que estou a ter uma crise mas ontem não foi fácil. Um grande de beijinho e obrigada 😘

  4. Sinceramente eu não sei o quanto custa, porque só comecei a perceber mais da Fibro por causa de ti. Independentemente da semana boa ou má podes sempre contar comigo! Eu não gosto nada de te ver assim. Só quero que saibas para mim serás sempre forte, mesmo que a semana não esteja ser das mais fáceis.
    A tua luzinha é grande e eu sei que não se vai abaixo tão depressa.

    Muita força minha querida, estarei sempre aqui para o que precisares, de verdade <3 <3 <3

    1. Vocês matam-me com tanto amor 💖 Muito obrigada Daniela, agora é esperar que passe 😘 Um grande beijinho

  5. Aceitar que, às vezes a doença é mais forte que a maior das vontades é um bom princípio. Fazer uma aula de Jump com falta de energia e dores de cabeça talvez tivesse sido (demasiado) ambicioso para esse dia. Há que jogar com o que a doença permite e negociar modalidades mais compatíveis com o estado físico. Haverá mais dias para o Jump seguramente!

    1. É verdade! O problema é que às vezes é difícil distinguir cansaço de Fibromialgia da preguiça 😂 obrigada pelo comentário, um beijinho *

  6. Querida Sara, esses dias existem hoje e sempre existiram. És humana, nem sempre se consegue manter uma atitude positiva em relação a dias sombrios. Aceitar que há dias em que estamos mal e respeitarmo-nos a nós próprios (como sei que fazes), ajuda muito. Temos o direito de ir abaixo, de achar que não temos força, de ter pena de nós e de imaginar os piores cenários. Isso faz de nós pessoas emocionais, apenas, não incapazes. No dia seguinte, ou nos dias seguintes, haverás de acordar bem. E sombra ficará para trás, até o dia em que volte a lembrar-se de fazer visita. Mas até lá volta a força, volta a inspiração, volta a capacidade de ir mais além. E são esses levantar de cabeça que te definem, não as sombras.
    Beijinho e muito Sol, sem nuvens escuras! <3

    1. Oh minha querida, nem imaginas como este comentário é importante! Muito obrigada pelo teu amor e força ❤ Estou mesmo muito grata 🙂 Um grande beijinho*

  7. Carolina Franco says: Responder

    Nem todos os dias a energia que temos “dá” para fazer aquilo que queremos. Há que saber aceitar e tu fizeste isso e muito bem. Aceitaste que era um dia em que não poderias dar muito. Não deves deprimir acerca disso ( mesmo que seja difícil e eu sei que o é) pois pensa que noutro dia irás de novo pôr-te à prova. Dia após dia devemos ter sempre a capacidade de querer fazer mais, experimentar, e colocarmos-nos em desafios. Tens algo que te impossibilita e eu entendo-te perfeitamente mas não é isso que te define. (Eu tenho asma e todos diziam que nunca seria capaz de tocar música visto que não ia conseguir devido à respiração. Tentei, esforcei-me e consegui. Foram 4 anos a tocar e só deixei porque não tinha tempo para lá ir mais, pois a minha escolar exigia demasiado tempo e energia.) Nem todos os dias estamos bem. Amanhã é um novo dia, mais um recomeço e mais uma oportunidade de brilhares. Acima de tudo, noto que és uma rapariga incrível e que consegues tudo o que queres, basta trabalhares por isso mesmo. Não é uma “doença” que te define. Beijinhos <3

    http://www.carolinafranco.pt

    1. Muito obrigada por esta mensagem tão querida 💖 Fico contente que te tenhas superado também! Um grande beijinho

  8. Deixa-nos sempre de rastos quando temos dias assim. E por muito que não sinta na pele o quanto te condiciona, acredito que seja complicado. Mas os dias de luz também chegam e melhoram-nos por dentro. Muita força <3

    1. É verdade, o que interessa é que existem mais dias de luz do que de escuridão! Obrigada pelo comentário, um beijinho*

  9. Há dias que não são dias, mas nós coma nossa força contornamos tudo, mesmo quando parece que levamos com uma rocha em cima. Também tenho dias assim raros mas quando dá, dá mesmo 🙁 Mas A Sarinha é muito forte, cheia de magia e energia e nós precisamos de ti!

    1. Ohh muito obrigada! 😀 Um grande beijinho*

    1. 💖💖💖

  10. Como já foi dito aqui os dias de luz têm muito mais força na nossa vida e é a esses que devemos sempre agarrar-nos.
    Quando estou num dia “não” como eu costumo dizer, tento fazer alguma coisa de que realmente goste, seja pintar, seja ver tv, uma série, estar com amigos, cozinhar.. qualquer coisa é válida desde que leve a minha mente para longe e me deixe menos angustiada.

    Minha querida, força, um grande beijinho.
    Estarei por aqui para te ler <3

    1. Muito obrigada💖 felizmente está já está a passar 😊 foi das curtas, talvez por tanto amor que vocês me dão! Um grande beijinho

  11. Sei perfeitamente o que sente. A fibromialgia também alterou toda a minha vida, mas nunca a minha essência e é nisso que tento focar-me todos os dias. Tenho 44 anos e quem me dera ter tido o discernimento de fazer algumas alterações na alimentação e estilo de vida na casa dos 20, como a Sara fez, Está no caminho certo e foque-se nisso! Eu finalmente percebi que tenho que estar no comando da minha saúde. Há já alguns anos que tenho cuidados, mas sem resultados. Diga-me, Sara, no seu regime vegetariano e sem glúten, faz alguns suplementos? Cada vez me faz mais confusão comer algumas coisas e quero melhorar, mas tenho alguns receios. Muita luz, esta batalha não é só sua!

    1. Faço sim, mas cada corpo tem a sua história e vai precisar de determinados suplementos! Para isso vá a uma naturopata ou a um experiente em medicina quântica. Eles saberão avaliar o que tem em falta e o que faz mais sentido para o seu organismo. Não desista! Força 💖

  12. Tenho uma amiga com a mesma doença, e por ela sei que não é fácil.
    Mas uma coisa que aprendi é olhar mos para as coisas menos boas , no teu caso , a fibromialgia e vê la como uma amiga, sim uma amiga. Aceitar que ela faz parte de ti e começar a gostar dela. Sei que por vezes parece estupido mas com o tempo torna as coisas muito mais fáceis.
    E aceitar também que temos os nossos limites, físicos e psicológicos, e respeita los.
    Muita força ❣️

    1. É isso mesmo! Eu chamo-lhe amiga de vida e já me ensinou tanta coisa 💖 muito obrigada pelo comentário um beijinho

  13. Eu sofro também com essa “amiga”. É um processo contínuo de aprendizagem, até porque o nosso estado vai mudando, vão aparecendo novos sintomas e nós vamos tendo que nos reajustar uma e outra vez. Não faço medicação há alguns anos, somente em s.o.s. ,quando as dores são insuportáveis ou as insónias persistem. Aprendi que temos que estar em paz com o facto de não podermos ( pelo menos sempre) fazer tudo como desejariamos fazer. Hoje não consigo? Tudo bem, outro dia conseguirei! Vida calma, evitar stress, situações de tensão, retirar da nossa vida o que nos puxa para baixo. Um dia de cada vez 🙂

    1. É isso mesmo! Muito obrigada por este comentário Ana, significa muito ♡ Muita força!

  14. […] Muitas pessoas pensam, e já me disseram, que sou uma mulher de armas, uma pessoa cheia de força e que não desiste de nada. Bem, não é sempre assim. Já vos mostrei aqui no blog que nem sempre a força está presente. […]

O que achaste? Conta-me tudo!